Glossário de Termos Técnicos – R/S

Escrito por

 

 Glossário de Termos Técnicos

”  R / S  “

 A   –   B / C   –   D / E   –   F / G   –   H / I / J   –   L / M   –   N / O / P   —   T / U / V / X / Z

Resíduos – materiais ou restos de materiais cujo proprietário ou produtor não mais considera com valor suficiente para conservá-los.
Alguns tipos de resíduos são considerados altamente perigosos e requerem cuidados especiais quanto à coleta, transporte e destinação final, pois apresentam substancial periculosidade, ou potencial, à saúde humana e aos organismos vivos.

Restolho – Parte inferior dos talos, unida à raiz, que fica no solo depois de se cortar os cereais e leguminosas.
Seu aproveitamento é importante para a alimentação do gado e também para a manutenção das qualidades nutritivas do solo e do húmus.

Repicagem – Técnica de transplante de mudas para canteiros, o­nde são replantadas a intervalos regulares.

Rizoma – Caule subterrâneo, no todo ou em parte, de crescimento horizontal, rico em reservas nutrientes.

Glossário de Termos Técnicos –  S

Seiva – Solução nutritiva que circula no interior da planta.

Semente – Óvulo fecundado, maduro e desenvolvido.

Sépala – Cada uma das partes que forma o cálice.

Suculenta – Planta que possui folhas e/ou caules grossos e carnudos, ricos em água.

Salinidade – Concentração de sais, dissolvidos na água, quando a matéria orgânica já foi oxidada, os carbonatos convertidos a óxidos e o bromo e o iodo substituídos pelo cloro.
É expressa em g/Kg ou ppm de cloro.

Salinização.
(1) Aumento do teor de substâncias salinas no solo, que resulta geralmente da má aplicação das tecnologias de irrigação.

(2) Conseqüência da irrigação em zonas áridas e semi-áridas.
As águas das chuvas contêm sempre sais minerais dissolvidos, que se depositam no solo quando ele evapora.
A drenagem deficiente das culturas aliada à elevação do lençol freático no nível do solo também pode gerar a salinização dos terrenos, tornando-os impróprios para agricultura.

Salobra – Ecossistemas em que se misturam as águas doces e salgadas, em quantidades variáveis.
Influem na taxa de salinidade as chuvas, as marés ou a afluência dos rios.
De uma hora para outra, a água salobra pode ficar hipersalgada com relação aos oceanos.
Esse fenômeno pode matar algumas espécies e causar pululação (proliferação excessiva) de outras mais adaptadas.
Um pequeno crustáceo reage singularmente a esse processo: diminui a sua superfície corporal.
Outro entra em hibernação nos períodos de alta salinidade.

Sazonal – Relativo à estação do ano, à sazonalidade.

Sedimento – Termo genérico para qualquer material particulado depositado por agente natural de transporte, como vento ou água.

Seixo rolado – Partículas ou pedras desgastadas pela água, com forma arredondada, que se acumulam no leito ou em margens de rios.

Sebes – Tapume de ramos ou varas para vedar terrenos.

Saturação – Estado de um meio poroso cujos poros estão completamente cheios de água; relação entre o volume dos poros cheios de água e o volume total dos poros; sin. grau de saturação; estado do ar úmido, caracterizado pelo equilíbrio transitório, acima da superfície evaporante, entre as moléculas que se desprendem da superfície e as que ali penetram.
Nessas condições, cessa a evaporação; estado de equilíbrio dinâmico de uma substância, dissolvida, entre suas diferentes fases – sólida, líquida e gasosa.

Serrapilheira – Camadas de folhas, galhos e matéria orgânica morta que cobre o solo das matas .

Solo.
(1) Formação natural superficial, de pequena rigidez e espessura variável.
Compõe-se de elementos minerais (silte, areia e argila), húmus, nutrientes (como cálcio e potássio), água, ar e seres vivos, como as minhocas.

(2) Terreno sobre o qual se constrói ou se anda; chão, pavimento.

.(3) Terra considerada nas suas qualidades produtivas.
Porção de superfície de terra. S. ativo: parte fértil do solo arável. S. inerte: parte do solo arável, entre o solo ativo e o subsolo.

(4) Em pedologia e ecologia solo é: o material terrestre alterado por agentes físicos, químicos e biológicos e que serve de base para as raízes das plantas .

Solo de brejo – Solo assentado sobre camadas de argila e ardósia impermeáveis, que possui rochas perto da superfície.
Nos brejos chove bem mais do que nas regiões de cerrados, e a camada superior do solo está permanentemente úmida.
Partículas de material orgânico de plantas mortas formam uma camada estreita e ácida.

Solo de cerrado – Solo arenoso e ligeiramente seco. Sua fina camada de restos vegetais é quase sempre ácida.
Minhocas e micróbios não toleram bem essas condições e por isso a decomposição é lenta, o que torna esse solo pobre em nutrientes.

Solo de jardim e horta – Tipo de solo geralmente muito fértil, bem drenado e arejado, pois na maioria das vezes recebe adubação orgânica.
Costuma apresentar uma grande população de minhocas.

Subsolo – Camada de solo, imediatamente inferior à que se vê ou se pode arar.Construção abaixo do rés-do-chão.

Fotos utilizadas sob licença Creative Commons: jacilluch