Linfogranuloma Venéreo…

Escrito por

 Doenças Sexualmente Transmissíveis!

O linfogranuloma venéreo é uma doença sexualmente transmissível causada pela Chlamydia trachomatis, uma bactéria que cresce somente no interior das células.
O linfogranuloma venéreo é causado por outros tipos de Chlamydia trachomatis que não aqueles que causam a uretrite (inflamação da uretra) e a cervicite (inflamação do colo uterino).

O linfogranuloma venéreo ocorre principalmente em áreas tropicais e subtropicais.

Sintomas e Diagnóstico

Os sintomas iniciam 3 a 12 dias ou mais após a infecção.

Ocorre a formação de uma pequena vesícula, indolor e cheia de líquido, normalmente localizada no pênis ou na vagina.

Em geral, a vesícula transforma-se em uma úlcera, a qual cicatriza rapidamente, muitas vezes sem ser percebida.

Em seguida, os linfonodos da região inguinal, em um ou em ambos os lados, podem aumentar de volume e tornar-se dolorosos.

A pele que reveste a área infectada torna-se quente e vermelha e, quando não tratada, pode ocorrer a formação de fístulas na pele sobre os linfonodos.

Essas fístulas drenam pus ou um líquido sanguinolento e, normalmente, se fecham, mas podem deixar uma cicatriz e ocorrer novamente.

Outros sintomas incluem febre, sensação de mal-estar generalizado, cefaléia, perda de apetite, vômito, dor nas costas e uma infecção do reto que produz uma secreção purulenta manchada de sangue.

Devido aos episódios prolongados ou repetidos, os vasos linfáticos são obstruídos, causando edema tecidual.

A infecção retal pode acarretar a formação de cicatrizes, as quais podem produzir uma estenose (estreitamento) do reto.

O médico suspeita do linfogranuloma venéreo baseando-se nos sintomas característicos.

O diagnóstico pode ser confirmado por um exame de sangue que identifica a presença de anticorpos contra a Chlamydia trachomatis.

Tratamento do Linfogranuloma

Quando administrado precocemente, o tratamento oral com doxiciclina, eritromicina ou tetraciclina por 3 semanas produz uma cura rápida.
Após o tratamento, o médico deve verificar se a infecção foi curada.

São realizadas tentativas para identificar todos os contatos sexuais do indivíduo infectado, para que eles também possam ser examinados e tratados.

fonte:Manual Merck