Segurança das Crianças em Praias e Piscinas

Escrito por

No verão as alternativas para a diversão da criançada se multiplicam – não é à toa que as férias escolares acontecem nessa época do ano. O ponto alto, é claro, é sempre na praia ou na piscina. Saiba como mantê-los seguros perto da água.

Praia e piscina são as grandes vedetes da estação. E qual é a criança de não gosta de brincar na água?

No entanto esse tipo de lazer requer alguns cuidados importantes.

É fundamental que os pais e responsáveis estejam sempre atentos à segurança dos pequenos, para evitar que eles se percam em lugares lotados, sofram queimaduras solares, desidratação ou até mesmo afogamentos.

As precauções também se estendem aos adultos, já que muitos apreciam o consumo de bebidas alcoólicas na beira da piscina ou durante uma tarde perto do mar.

Segurança de Crianças na Praia ou Piscina

menino praiaUm dos hábitos que mais vem ganhando força entre os pais da garotada é a adoção de pulseirinhas de identificação – aquelas de plástico ou papel impermeável, amplamente utilizadas em shows fechados e outros grandes eventos.

Também conhecidas como tags de identificação, nelas é possível escrever, com caneta à prova d´água, o nome da criança e dos responsáveis. Telefones para contato e até mesmo o endereço de casa ou do hotel, para o caso dela se perderem, cabem ali.

“As pulseirinhas são distribuídas nas praias pela Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e até mesmo por empresas, mas estamos começando a vender diretamente para os pais também”, explica Antonio Bindi, da PasseVip.

O estado do Paraná e a cidade do Rio de Janeiro, inclusive, já contam com leis que exigem que crianças usem pulseiras de identificação quando da concentração de um determinado número de pessoas em espaços públicos.

De todo modo, sempre vale a pena combinar com o pequeno um plano para o caso dela se perder. Um ponto de referência aonde se encontrar é importante. No clube, pode ser ao lado da barraca do salva-vidas.

Brincando na Água com Segurança

menina piscinaOutro ponto crucial é a segurança dentro d´água. No Brasil, afogamentos são a segunda causa de morte entre crianças de 1 a 14 anos de idade.

A menos que o seu filho já tenha passado da infância e seja um ótimo nadador, boias de braço são indispensáveis. Até mesmo na praia.

A presença permanente de um adulto se torna ainda mais mandatória quando a criança está interagindo com o mar. Afinal, ela ainda não possui discernimento para fugir de uma onda maior e nenhuma força para lutar contra ela ou contra correntezas fortes.
Poucos minutos sem respirar dentro d´água já são suficientes para causar danos cerebrais irreversíveis.

Por conta disso, já existem aulas de natação infantis que ensinam a escapar de situações de risco na água. Nelas, no lugar de sungas e maiôs, as crianças usam roupas normais, mais pesadas. Elas auxiliam no treinamento, já que oferecem resistência e peso.

bebê praiaProcure, também, se informar antecipadamente sobre a condição das praias para nado. Respeite as placas que indicam perigo e tenha sempre um plano B para o caso do mar estar muito agitado. Baldinhos, piscininhas e chuveiros na areia podem substituir o mergulho em ondas grandes demais.

O sol, grande estrela do verão, também deve inspirar cuidados. Não deixe seu filho brincando por tempo demais sem se hidratar: é você quem deve ficar atento e chamá-lo para beber água ou sucos. Não espere que ele manifeste sede.

O horário de exposição ao sol – até dez horas da manhã e depois das quatro da tarde – também evitará problemas como queimaduras e insolação.
O filtro solar deverá ser aplicado ainda em casa e reaplicado de meia em meia hora, se o pequeno estiver brincando continuamente dentro d´água.

Bebês não devem ficar mais de vinte minutos expostos aos raios solares.

Atenção que os Adultos Devem Ter nas Praias e Piscinas

Muitas das recomendações feitas para crianças também se aplicam aos adultos – sobretudo aqueles que não sabem nadar. O cuidado extra fica por conta das bebidas alcoólicas que, em excesso, levam à desidratação.
Portanto, não exagere na quantidade. Uma boa dica é sempre alternar a cerveja ou o drink com alguns goles de água mineral sem gás.

Se o adulto tiver crianças e adolescentes sob sua responsabilidade, o conselho é evitar o álcool. Como já vimos, um responsável plenamente lúcido e capaz é fundamental para o bem estar dos pequenos dentro d´água.