Óleo sintético lubrificante automotivo, é melhor?

Escrito por

O óleo sintético resulta de uma modificação em laboratório da estrutura molecular do óleo de base, ideal para as utilizações mais exigentes, é o óleo mais fluído a frio.

Permite fazer intervalos mais espaçados entre as mudanças de óleo ao mesmo tempo que reduz os consumos de combustível.

Vida útil maior porque oferece alta estabilidade térmica e proteção contra oxidação.

Excelente capacidade de manter a viscosidade em faixas mais amplas de temperatura.

Consumo menor de óleo, porque oferece maior controle de volatilidade

Os óleos sintéticos são melhores?

Sim. Os óleos sintéticos estão especialmente concebidos para responder às exigências dos motores mais potentes ou para serem utilizados a temperaturas extremas e em condições de trabalho muito exigentes.

Porque é que é melhor um óleo com bases sintéticas que um óleo mineral?

Por uma maior duração da película de óleo sobre as peças em movimento:
Protecção superior (em particular contra o desgaste imediato provocado no arranque).
Por uma menor volatilidade: baixa o consumo de óleo.
Por uma óptima resposta térmica natural: redução da formação de depósitos e resíduos carbonosos.
Por um poder detergente e dispersante natural: melhor protecção do motor.

Qual a diferença entre o óleo mineral, semi-sintético e sintético? Eles podem ser misturados?

O lubrificante é composto por óleos básicos e aditivos.
Sua função no motor é lubrificar, evitar o contato entre as superfícies metálicas e refrigerar, independentemente de ser mineral ou sintético.

A diferença está no processo de obtenção dos óleos básicos.
Os óleos minerais são obtidos da separação de componentes do petróleo, sendo uma mistura de vários compostos.

Os óleos sintéticos são obtidos por reação química, havendo assim maior controle em sua fabricação, permitindo a obtenção de vários tipos de cadeia molecular, com diferenças características físico-químicas e por isso são produtos mais puros.

Os óleos semi-sintéticos ou de base sintética, empregam mistura em proporções variáveis de básicos minerais e sintéticos, buscando reunir as melhores propriedades de cada tipo, associando a otimização de custo, uma vez que as matérias-primas sintéticas possuem custo muito elevado.

Não é recomendado misturar óleos minerais com sintéticos, principalmente de empresas diferentes.
Seus óleos básicos apresentam naturezas químicas diferentes e a mistura pode comprometer o desempenho de sua aditivação, podendo gerar depósitos.

Além disso, não é economicamente vantajoso, já que o óleo sintético é muito mais caro que o mineral e a mistura dos dois equivale praticamente ao óleo mineral, sendo, portanto, um desperdício.

Uma dica interessante se refere à troca de óleo mineral por sintético.

É importante trocar o filtro de óleo junto com a primeira carga de sintético e trocar esta carga no período normal de troca do veículo em função da sua utilização.

Posso aumentar o período de troca quando uso óleos sintéticos?

Embora os lubrificantes sintéticos possuam características de qualidade superiores, a maioria dos fabricantes de veículos ainda não diferencia os períodos de troca, caso se utilize óleos sintéticos ou minerais.

Recomendamos seguir a indicação do Manual do Proprietário para intervalo de troca.

fontes:Texaco   /   cepsa