Tamareira (Phoenix dactylifera)

Escrito por

 

Nome botânico: Phoenix dactylifera L.

Nomes Populares: tamareira, fênix-de-tâmara, palmeira-de-tâmara, datileira

Família: Angiospermae Arecaceae

Origem: Norte da África, Paquistão, Noroeste da Índia

 Descrição da Tamareira:

Tâmaras amarelas

Palmeira Tamareira tem tronco único ou ramificado na base, com altura até 30,0 metros em seus locais de origem.

Em cultivo sua altura fica em torno de 15 a 18,0 metros.

Sua copa pode assumir bom espaço, cerca de 6,0 metros quando na fase adulta, provida de grande número de folhas, em torno de 20 a 40 unidades.

Seu tronco é largo, podendo atingir até uns 45 cm de diâmetro e fica coberto de pequenas sobras das folhas que caíram, dando um aspecto escamoso.
Estes restos de folhas são secos e de coloração gris.

As folhas são grandes, podendo atingir de 3 a 6 metros de comprimento por 30 até 60 cm de largura na base.

As folhas novas ficam eretas, arqueando-se com o passar do tempo.

Sua aparência geral é semelhante à da Phoenix canariensis, mas esta pode atingir somente 21,0 metros e sua coroa de folhas fica com cerca de 100 unidades por muda.

Pássaro na palmeira

Pássaro na palmeira

As flores são brancas nas flores femininas e amarelas nas masculinas, que ficam em plantas separadas, pois é uma palmeira dióica.

Os grandes cachos de flores produzem frutinhos amarelos, comestíveis e muito apreciados.

Diversos países do Mediterrâneo cultivam tamareiras, como a Espanha comercializam os frutos em forma de passas para receitas salgadas e doces.

No Brasil há uma produção na Bahia de tamareiras para comercialização de frutos, mas o país tem grande potencial para cultivo da planta.

Como plantar a Tamareira:

Plantação de tamareiras

Plantação de tamareiras

O crescimento das mudas é de velocidade média, comparando com os jerivás que são bem mais rápidos para atingir a fase adulta.

Necessita de local com muito sol e solo preparado com adubação orgânica e com boa drenagem.

Para manter sua copa bonita e depois sua floração e frutificação é preciso optar pela irrigação controlada no pé da planta.

Plantio na pratica da tamareira :

Abrir um buraco maior que o torrão.
Como palmeiras têm mais raízes superficiais e não tão profundas, deve ser mais largo que fundo.

O ideal é que a largura da cova seja três vezes a largura do torrão. Ao colocar os insumos necessários as raízes se desenvolverão garantindo a sobrevivência da muda.

Descompactar as paredes laterais e o fundo da cova, sem desbarrancar a terra.

Fazer a mistura de composto orgânico o quanto seja necessário com adubo animal de curral bem curtido ou esterco de aves, cerca de 3 kg por cova.

Acrescentar fosfato natural de rocha ou farinha de ossos, cerca de 300 gramas.

Caso o solo do local seja muito arenoso acrescentar também elementos orgânicos particulados oriundo de compostagem, que ajudarão a manter a umidade.

Regar bem a cova antes de colocar o torrão.

Depois de acomodar o torrão, preencher as laterais com a mistura de insumos e regar bem.

Colocar os tutores, em número de dois ou três, amarrando com corda de algodão, firma mas não de forma a estrangular a casaca do tronco.

As regas deverão ser diárias enquanto não houver chuvas.

Em mudas grandes, acima do padrão de 1,80 a 2,20 metros, será conveniente a colocação de uma mangueira no topo da palmeira, de forma a regar a parte superior da copa.

Isto poderá fazer a diferença entre a sobrevivência da muda e seu fenecimento.

Fotos utilizadas sob licença Creative Commons: drterdal