Como plantar Alho (Allium Sativum)

Escrito por

Como plantar o alho.
O alho se dá melhor em locais de climas amenos e necessita de solos bem drenados.
Siga as dicas no plantio comercial e também no cultivo doméstico.

Nome botânico: Allium sativum L.
Nome popular: alho
Angiospermae – Família Alliaceae
Origem: Europa ou Ásia

Descrição do Allium Sativum L.

Planta herbácea bulbosa com folhas que podem atingir até 0,60 m de altura e raízes que se desenvolvem bem mais de 35 cm em terreno apropriado.

flor alhoAs folhas são verdes de consistência lisa, serosas e perfumadas.

Os bulbos são recobertos por tecido membranáceo esbranquiçado com sombras violetas: juntos formam a cabeça do alho.
Cada bulbo contém um embrião que poderá dar origem à nova planta.

O pendão floral é uma inflorescência em forma de cabeça em pedúnculo ou talo acima da planta, com flores brancas.

Toda a planta pode ser consumida, em pratos diversos de carnes e vegetais, é produzida nas Regiões Sul e Sudeste do país.

Como Cultivar o Alho

A temperatura ideal para o cultivo do alho devem ficar entre 13 e 24 0C, sendo as temperaturas mais baixas favoráveis ao desenvolvimento dos bulbos.

Ou seja, temperaturas muito altas não permitem boa produção, embora em regiões de clima ameno ou de altitude possa haver seu cultivo.

O local para a produção comercial do alho deve ter sol e solo do tipo areno-argiloso, fértil e profundo, com boa drenagem.

Por este motivo, solos muito argilosos ou encharcados são desfavoráveis para o bom desenvolvimento dos bulbos.

Em regiões de chuvas sazonais deve ser considerada a irrigação da lavoura.

Lavoura Comercial do Alho

cultivo alhoAs análises de solo acompanhadas de recomendações por técnico especializado serão um fator de sucesso.

O alho necessita de pH em torno de 6,5, nitrogênio, fósforo, cálcio, magnésio, boro e zinco, todos estes elementos estarão especificados na análise de solos e terão recomendação profissional para aplicação, intercaladas conforme o tempo de desenvolvimento da planta.

A preparação do solo para plantio deve ter boas práticas, como o destorroamento, a aplicação de calcário se for necessária segundo a análise de solos e incorporação de restos de culturas anteriores, que conferem a volta de elementos descartados da produção.
Isto deverá ocorrer nos três meses que antecedem o plantio.

A adição de estercos de curral, composto orgânico, tornarão o solo mais fértil, permeável e permitirá uma boa produção.

Os canteiros de nível comercial devem ser projetados para que as máquinas possam fazer a colheita.
Tempo: conforme a variedade será o tempo entre plantio dos bulbos e a colheita.
Os precoces, de quatro a cinco meses; os médios, de cinco a seis meses; e os tardios, mais de seis meses.

Épocas de Plantio do Allium Sativum

  • Região Sul: plantio de março a setembro, com colheita de julho a janeiro;
  • Região Sudeste: plantio, de fevereiro a abril com a colheita de julho a outubro;
  • Região Norte: plantio de abril a maio, com a colheita de julho a agosto;
  • Nordeste: plantio de abril a maio com a colheita de julho a outubro;
  • Centro Oeste: plantio de março a abril com a colheita de julho a outubro.

Plantio do alho

Usar o chamado alho-semente, com bulbos bem formados e inteiros.
Sem cortar a ponta, enterrar o bulbo com a base chata para baixo, numa profundidade de 3 a 5 cm e o espaçamento de 25 cm entre filas e 10 cm entre bulbos.

Tratos Culturais no Plantio do Alho

alhoApós o plantio, regar bem o solo e colocar uma cobertura seca de aparas de grama ou palha de arroz, em camada fina.

Isto permitirá a diminuição da temperatura do solo pela irradiação solar, menor perda de água pela evaporação e melhor controle de inços – o grande problema desta cultura.

Em regiões onde é feita a irrigação, esta deverá ser suspensa na quinzena anterior à colheita, evitando desta forma o apodrecimento das cabeças.

Pragas e Doenças da Cultura do Alho

Insetos como tripes, ácaro-dos-bulbos e nematóides costumam atacar as folhas e bulbos e seu controle deve ter orientação profissional.

Algumas doenças podem surgir, como a mancha-púrpura, a queima-das-folhas e a ferrugem, ocasionadas principalmente por temperaturas mais elevadas e também em alguns casos a umidade.

É recomendado o uso do alho-semente de procedência conhecida e a rotação de cultura, para minimizar o problema, sendo muito usada a cultura de leguminosas.

Horta Caseira do Alho

sopa alhoO alho é conhecido por seu uso na culinária, tantos os bulbos como as folhas.
Estas são muito perfumadas e saborosas e não se encontram à venda no mercado de alimentos nem feiras.
Cultivar em casa é muito simples e teremos na nossa horta ou em um vaso para a finalização de pratos, combinadas com salsinha ou coentro.

Aproveitaremos os bulbos que brotam no cestinho de condimentos da cozinha e que muitas descartamos porque mudam de cor e sabor.

Podemos usar substrato de composto orgânico e areia na proporção de 3:1, acrescentando 300 gramas/m2 de esterco bovino bem curtido para os canteiros preparados.
Esta mesma preparação servirá para colocar em vasos, sem esquecer de proteger o furo de drenagem para a saída das águas de regas.
O recipiente poderá ser de boca larga e profundidade em torno de 40 cm.

A profundidade de plantio são as mesmas já nomeadas acima e o espaçamento poderá ser de 5 a 7 cm entre bulbos, tornando o vaso mais cheio.
Assim, poderá cultivar inclusive em apartamentos e sacadas, desde que tenha algumas horas de sol. Não se esquecer de regar.

O aproveitamento das folhas em receitas é a grande dica mas, se esperar algum tempo, poderá colher as cabeças.

Notará que as folhas começam a secar – então é a hora de abrir o substrato e retirar os bulbos.

Uso Medicinal do Alho

O conhecido cheiro de alho é devido a uma substância de nome dissulfuro de alilo, contido no bulbo e que se espalha pelo corpo todo da pessoa que o ingeriu, inclusive com odor na urina e suor.

É considerado como fungicida natural para outras plantas, tem propriedades antimicrobianas, redutor de pressão arterial e antiglicêmico.

Fonte: MORELLI,Miriam R.Stumpf. Guia de produção para plantas medicinais, aromáticas e flores comestíveis. Porto Alegre, Cidadela, 2010.