Papéis de embalagens leves e embrulhos!

Original: https://www.fazfacil.com.br/artesanato/papeis-embalagens-leves/ Escrito por

Papéis de embalagens

Estiva e maculatura

Papel fabricado essencialmente com aparas, em cor natural, acinzentada, geralmente nas gramaturas de 70 a 120 g/m2.
Usado para embrulhos que não requerem apresentação, tubetes e conicais.

Manilhinha – padaria

Papel fabricado com aparas, pasta mecânica ou semiquímica, em geral nas gramaturas de 40 a 45 g/m2, monolúcido ou não, geralmente na cor natural e em folhas dobradas.
Usado essencialmente nas padarias.

Manilha – hd – hamburguês – havana – ld – macarrão

Papéis fabricados com aparas, pasta mecânica e/ou semiquímica, em geral nas gramaturas de 40 a 100 g/m2, monolúcidos em cores características ou cor natural.
Usado para embrulhos nas lojas, indústrias e congêneres.

Tecido

Papel de embalagem, fabricado com pasta química e pasta mecânica ou aparas limpas, nas gramaturas de 70 a 120 g/m2, com boa resistência mecânica e geralmente nas cores creme, bege e azul.
Usado essencialmente para embrulho de tecidos e na fabricação de envelopes.

Fósforo

Papel de embalagem, essencialmente fabricado com pasta química, com 40 g/m2, monolúcido ou não, na cor azul característica.
Usado essencialmente para forrar caixas de fósforos.

Strong

a) strong de 1a.
Papel de embalagem, fabricado com pasta química geralmente sulfito e/ou aparas de cartões perfurados, com 40 a 80 g/m2, geralmente monolúcido, branco ou em cores claras.
Usado essencialmente para a fabricação de sacos de pequeno porte, forro de sacos e para embrulhos.

b) strong de 2a.
Papel similar ao “Strong de 1a.”, porém, fabricado com a participação de aparas limpas e/ou pasta mecânica.

Seda

Papel de embalagem, fabricado com pasta química branqueada ou não, com 20 a 27 g/m2, branco ou em cores.
Usado para embalagens leves, embrulhos de objetos artísticos, intercalação, enfeites, proteção de frutas, etc.FRUTAS (Excluído – classificar em Seda)

Impermeáveis

Papel de embalagem, com baixa permeabilidade a substâncias gordurosas. Vide subitens, para melhor classificação:

a) glassine, cristal ou pergaminho
Papel fabricado com pasta química branqueada, trabalhada com elevado grau de refinação, para que em conjunto com a supercalandragem obtenha sua característica típica, que é a transparência.
Quando tornado opaco com cargas minerais, adquire aspecto leitoso translúcido.
Fabricado geralmente a partir de 30 g/m2 e com impermeabilidade elevada.
Usado essencialmente para embalagens de alimentos, base de papel auto-adesivo, proteção de frutas nas árvores, etc.

b) granado
Papel similar ao “Glassine, Cristal ou Pergaminho”, porém com menor transparência e impermeabilidade que estes, devido à presença de outras pastas.
Fabricado também em cores.

c) greaseproof
Papel de elevadíssima impermeabilidade às gorduras, fabricado com pasta química branqueada, geralmente nas gramaturas de 30 a 80 g/m2.
Translúcido, sem supercalandragem e de coloração branca ou ligeiramente amarelada.
Usado essencialmente para embalagens de substâncias gordurosas.

d) fosco
Papel de baixa impermeabilidade, fabricado com pasta química, geralmente a partir de 40 g/m2, translúcido, sem supercalandragem, de coloração natural.
Usado para desenho, embalagem descartável para alimentos, etc.

Papéis de embalagens pesadas

Papéis de embalagens - Brown Paper

Kraft

Papel de embalagem, cuja característica principal é sua resistência mecânica.
Vide subitens, para melhor classificação:

a) kraft natural para sacos multifolhados
Papel fabricado com pasta química sulfato não-branqueada, essencialmente de fibra longa, geralmente nas gramaturas de 80 a 90 g/m2. Altamente resistente ao rasgo e com boa resistência ao estouro.
Usado essencialmente para sacos e embalagens industriais de grande porte.

b) kraft extensível
Fabricado com pasta química sulfato ou soda não branqueada, essencialmente de fibra longa, geralmente nas gramaturas de 80 a 100 g/m2.
Altamente resistente ao rasgo e a energia absorvida na tração.
Possui alongamento no sentido longitudinal maior ou igual a 8%.
Usado para embalagem de sacos de papel.

Papéis de embalagens - Kraftc) kraft natural ou em cores para outros fins
Fabricado com pasta química sulfato, não-branqueada, essencialmente de fibra longa, geralmente com 30 a 150 g/m2, monolúcido ou alisado, com características de resistência mecânica similar ao “Kraft Natural para Sacos Multifolhados”.
Usado para a fabricação de sacos de pequeno porte, sacolas e para embalagens em geral.

d) kraft branco ou em cores
Fabricado com pasta química sulfato branqueada, essencialmente de fibra longa, geralmente com 30 a 150 g/m2, monolúcido ou alisado.
Usado como folha externa em sacos multifolhados, sacos de açúcar e farinha, sacolas e, nas gramaturas mais baixas, para embalagens individuais de balas etc.

e) tipo kraft de 1a.
Papel de embalagem, semelhante ao “Kraft Natural ou em Cores”, porém com menor resistência mecânica que este, fabricado com pelo menos 50% de pasta química, geralmente com mais de 40 g/m2, monolúcido ou não.
Usado geralmente para saquinhos etc.

f) tipo kraft de 2a.
Papel semelhante ao “Tipo Kraft de 1a.”, porém com resistência mecânica inferior, geralmente com mais de 40 g/m2, monolúcido ou não.
Usado para embrulhos e embalagens em geral.
Para papelão ondulado
Papel de embalagem, usado na fabricação de papelão ondulado. Vide subitens, para melhor classificação:

Papéis de embalagens - Caja fractal
a) miolo (fluting)
Papel fabricado com pasta semiquímica e/ou mecânica e/ou aparas, geralmente com 120 a 150 g/m2.
Usado para ser ondulado na fabricação de papelão ondulado.

b) capa de 1a. (Kraftliner)
Papel fabricado com grande participação de fibras virgens, geralmente com 120 g/m2 ou mais, atendendo as especificações de resistência mecânica requeridas para constituir a capa ou forro das caixas de papelão ondulado.

c) capa de 2a. (Testliner)
Papel semelhante ao “Capa de 1a.”, porém com propriedades mecânicas inferiores, conseqüentes da utilização de matérias-primas recicladas em alta proporção.

d) white top liner
Papel fabricado com grande participação de fibras virgens, geralmente com 150 a 385 g/m2, atendendo as especificações de resistência mecânica requeridas para constituir parte das caixas de papelão ondulado.