Tipos de adoçantes e a nossa saúde! O que devemos saber!

Escrito por

Adoçantes …


Existe muita confusão na hora de se falar em substitutos do açucar.

Muitas vezes as pessoas não tem conhecimento das variedades de adoçantes.

Vamos ver este assunto e esclarecer tudo!

– Acessulfame de potássio (Ace-K):

Acessulfame de potássio (também chamado de acessulfame K ou ace-K) é um adoçante não nutritivo (com baixas calorias) com um gosto doce e puro rapidamente perceptível.

Sua excelente estabilidade sob altas temperaturas e boa solubilidade tornam o acessulfame K adequado para vários produtos.
Aproximadamente 200 vezes mais doce do que a sacarose, o acessulfame K não é metabolizado pelo corpo e, portanto, não contribui com calorias.

O acessulfame K é usado atualmente em centenas de alimentos e bebidas, inclusive adoçantes de mesa, sobremesas, pudins, artigos de panificação, refrigerantes, doces e enlatados.
Também é usado na higiene oral e em produtos farmacêuticos. Você encontrará produtos com acessulfame K em cerca de 90 países diferentes.

– Aspartame

O aspartame é um adoçante com baixas calorias feito principalmente de dois aminoácidos: ácido aspártico e fenilalanina.
Os aminoácidos, incluindo os dois aminoácidos no aspartame, são os blocos construtores das proteínas e são amplamente encontrados na natureza, tanto em plantas quanto em animais.

Descoberto em 1965, o aspartame tem o gosto parecido com o do açúcar, sendo, aproximadamente, 200 vezes mais doce do que a sacarose.
O aspartame pode ser encontrado em mais de 6.000 produtos em todo o mundo, incluindo refrigerantes carbonatados, refrigerantes em pó, gomas de mascar, confeitos, gelatinas, misturas para sobremesa, pudins e recheios, sobremesas congeladas, iogurtes, adoçantes de mesa e alguns produtos farmacêuticos como vitaminas e xaropes para tosse sem açúcar.

Há pessoas que devem evitar o aspartame?

Sim, pessoas com uma doença hereditária rara chamada fenilcetonúria (PKU) devem evitar o aspartame.
As pessoas com esta doença não podem metabolizar um aminoácido chamado fenilalanina – que é um dos dois aminoácidos usados para fazer o aspartame.

– Ciclamato:

O ciclamato é um adoçante com baixas calorias que é 30 vezes mais doce do que a sacarose.
É solúvel em líquidos e como é estável no calor e no frio, possui longa vida útil em armazenamento.

Descoberto em 1937, o ciclamato está aprovado para uso em alimentos e bebidas em mais de 50 países, entre os quais Canadá, Austrália e México.

O ciclamato é um excelente complemento a outros adoçantes com baixas calorias freqüentemente usados para reduzir o conteúdo calórico de alimentos e bebidas populares.
Em combinação, o ciclamato e outros adoçantes com baixas calorias possuem um efeito sinérgico que acentua o sabor doce e reduz a quantidade de adoçante necessária para obter-se um nível desejado de doçura.

O ciclamato também mascara o gosto que deixam outros adoçantes com baixas calorias, como a sacarina, dessa forma melhorando o sabor de alimentos e bebidas que contêm este adoçante.

O ciclamato está aprovado para uso em alimentos e bebidas em mais de 50 países em todo o mundo.

O Comitê Misto de Especialistas em Aditivos Alimentares (JEFCA, na sigla em inglês) da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO, na sigla em inglês) analisou nos últimos dez anos a literatura científica relacionada a ciclamatos e constatou de forma consistente a segurança do seu uso por seres humanos.

O ciclamato também foi aprovado pelo Comitê Científico de Alimentos (SCF, na sigla em inglês) da Comissão Européia – atualmente a Autoridade Européia de Segurança Alimentar (EFSA, na sigla em inglês).