Conjuntivite: Prevenção e Tratamento

Escrito por

A conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, membrana transparente que envolve o globo ocular. Ela é mais comum em épocas secas, como o inverno. Saiba como se prevenir e tratar a conjuntivite.

Tipos de Conjuntivite e seus Sintomas

A conjuntivite pode ter origem alérgica, bacteriana ou viral.

A conjuntivite alérgica é causada pela ação de fatores como poluição, cloro de piscina, produtos de limpeza da casa, maquiagem ou até mesmo pelo pólen das flores. Ou seja, não é contagiosa.
A inflamação causada pela poluição é mais comum durante o inverno, quando os gases tóxicos se concentram mais na atmosfera das grandes cidades. Já a por pólen é mais frequente na primavera, em regiões mais campestres.

mulher maos olhos fechadosA conjuntivite bacteriana pode atacar apenas um dos olhos, mas frequentemente atinge os dois. Apresenta uma secreção amarelada e espessa, deixando os olhos bastante inchados. Dura de 10 a 14 dias, mas menos que isso caso o tratamento se inicie logo.

Já a do tipo viral é mais contagiosa do que a bacteriana – e também a mais comum, sendo responsável por 95% dos casos. Também produz uma secreção viscosa, que pode ser esbranquiçada ou amarelada.

Ela pode vir acompanhada de secreção nasal ou otite, e tende a se manifestar primeiro num olho e, cerca de três dias depois, no outro.
A conjuntivite viral é mais comum durante o verão e, mesmo sob tratamento, demora mais para ser curada: cerca de 20 dias.

Transmissão e Sintomas da Conjuntivite

Como vimos, a conjuntivite do tipo alérgica não é transmitida, mas adquirida quando em contato com o fator que causa da irritação. No entanto, as bacteriana e viral são passadas de pessoa para pessoa.

A conjuntivite bacteriana é passada por meio do contato físico da pessoa ou objeto contaminado com o indivíduo não contaminado. Abraços e o uso de toalhas de rosto, óculos ou travesseiro podem ser arriscados.

A viral é transmitida da mesma forma, e inclui outras. A simples permanência em ambientes fechados, como salas de aula, ônibus ou elevadores junto com uma pessoa doente pode levar ao contágio de outra.

Além dos sintomas particulares de cada tipo de conjuntivite já citados, existem os universais – ou seja, aqueles que sempre estarão presentes. Eles consistem em olhos lacrimejantes e vermelhos, coceira, visão embaçada, sensação de areia nos olhos e pálpebras inchadas.

Evitando a Conjuntivite

colírioLave sempre as suas mãos. Evite ao máximo levar as mãos aos olhos quando não estiverem limpas.

Não se exponha a agentes que podem ser irritantes para você. Fuja de horários de trânsito mais pesado, quando os gases poluentes estão mais presentes no ar. Não mergulhe em piscinas – ou pelo menos use óculos de natação.

Não compartilhe maquiagem, roupa de banho ou de cama, óculos, lentes de contato ou colírios. Nunca encoste o frasco do colírio nos olhos.

Se possível, permaneça o mínimo de tempo em ambientes fechados com muitas pessoas.

Tratamento da Conjuntivite

A primeira coisa a fazer quando sentir os sintomas é procurar um especialista – no caso, um oftalmologista. Só ele poderá constatar a origem da doença e prescrever o tratamento adequado.

Não se automedique antes disso. Enquanto não inicia o tratamento, alivie o desconforto com compressas de soro fisiológico gelado sobre as pálpebras. Colírios lubrificantes ou lágrimas artificiais podem ajudar.

A conjuntivite bacteriana é solucionada com colírio antibiótico. Já a viral tende a se curar sozinha em 20 dias, mas alguns medicamentos devem ser administrados durante esse período.

É o caso de colírios anti-histamínicos, esteroides tópicos, agentes antivirais e aciclovir oral. Vai depender do tipo de vírus que provocou a infecção.