Como Doar seu Animal de Estimação com Responsabilidade

Escrito por

O abandono de animais de estimação é uma realidade que se acentua em momentos de crise ou mesmo durante as férias, quando a família viaja. Ao invés de deixar o seu cão ou gato à própria sorte, aprenda como doá-lo com carinho e responsabilidade.

Animais de estimação são amigos para toda a vida e exigem todo o cuidado e respeito. No entanto muitos deles sofrem ameaça de abandono quando seus donos não possuem mais os recursos necessários para mantê-los com dignidade.

Casos realmente cruéis envolvem o abandono dos bichinhos simplesmente por não ter com quem ficar quando a família viaja.

Em ambos os cenários o abandono pode ser evitado com o gesto amoroso da doação. Veja a seguir como fazer isso.

A Realidade do Abandono de Animais de Estimação

gato ruaDos 32 milhões de cães existentes no Brasil, 10% são abandonados. De acordo com o Art. 32, capitulo V da Lei 9.605/98, abandonar animais à própria sorte é crime.

Afinal, nas ruas eles correm um grande risco de sofrerem crueldade, doenças e acidentes. Além disso, no caso de cães ferozes, eles podem ameaçar pessoas.

A primeira coisa a fazer é ter certeza de que você não pretende ter o animal de volta. Se este for o caso, então você não deve pensar em doar, e sim em arranjar um lar temporário para ele.

Não é justo para o novo dono que o bicho seja solicitado de volta depois que a afeição é formada.

Procure Potenciais Lares Interessados – E Evite Abrigos

Pense num amigo que já tenha um cão ou gato: pode ser que ali exista espaço para mais um! Além disso, você tem a certeza de que seu bichinho será bem tratado.
Se algum conhecido indicar alguém que possa se interessar, visite a casa do candidato. Converse com ele, observe se o local possui estrutura para que o seu bichinho viva com segurança.

Se nada disso funcionar, inicie uma campanha pela internet. Vale todas as redes sociais em que você está inscrito: postagem no Facebook, uma foto bem fofa no Instagram e no Twitter, em blogs… peça para seus amigos compartilharem ao máximo.

Entre em contato com ONGs e agências defensoras dos direitos dos animais para saber sobre a possibilidade de eles também ajudarem na divulgação. Distribua cartazes para serem afixados no elevador do seu condomínio, em pet shops e clínicas veterinárias.

Caso o seu cachorro ou felino seja de raça, fale com associações de criadores. Eles poderão ser ótimos intermediadores. Procure saber sobre possíveis feiras de doações de animais na sua cidade.

Abrigos não são uma opção desejável: eles costumam estar lotados de animais e possuem pouquíssimos recursos para cuidar deles. Além de tristes, os animais que habitam os abrigos ficam sempre sob risco de adoecerem.
Sem contar que, por isso, cada vez menos pessoas visitam esses lugares na hora de adotar um animal.

Doação de Cães e Gatos: Como Preparar seu Animal e a Futura Família Dele

cachorroQue bom! Seus esforços deram resultado e você conseguiu uma família ótima para o seu bichinho.

A etapa seguinte é preparar o animal para a adoção. Marque uma consulta com o veterinário e faça um check-up completo. Deixe a vacinação e a vermifugação em dia.
Dê um banho no seu amigo. Tose-o, corte suas unhas.

Em relação aos novos donos, seja claro sobre a personalidade do animal. Fale sobre suas preferências, medos, horários e outras necessidades físicas e afetivas. Explique como é a sua rotina com ele.

No dia marcado, leve você mesmo o animal à nova casa. Leve os acessórios que ele já usa: isso ajuda a tornar a transição menos estranha para ele. Deixe uma camisa usada, com o seu cheiro, temporariamente ali.

Não se esqueça de documentos como carteira de vacinação, contato do veterinário que o atende, dados de microchip (se for o caso) e pedigree (se for o caso).

Se a nova família não for do seu círculo de amizades, ela vai passar a ser. Crie esse vínculo e não deixe de visitar seu amigão sempre!